NOTÍCIAS

Governo estima R$ 180 bi em investimentos em ferrovias

Expectativa do Ministério da Infraestrutura é que seja construída uma malha adicional de 15 mil quilômetros

O Ministério da Infraestrutura estima que serão investidos R$ 180 bilhões no país graças ao Novo Marco Legal das Ferrovias, o Pro Trilhos, sancionado em 23 de dezembro de 2021. A expectativa é que, com esses recursos, seja construída uma malha adicional de 15 mil quilômetros de ferrovias privadas.

De acordo com um levantamento feito pela pasta, foram apresentados 64 requerimentos ao governo federal. Entre eles, há 60 pedidos para instalação de linhas férreas e outros quatro para a instalação de pátios ferroviários.

As propostas foram protocoladas por 22 empresas e têm 16 unidades da Federação como origem e destino: Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Pernambuco, Piauí, Bahia, Tocantins, Pará e Roraima.-Publicidade-

A marca alcançada pelo Pro Trilhos representa 50% de toda a malha ferroviária nacional, que atualmente é de 30 mil quilômetros. Os investimentos do setor privado para a execução das novas ferrovias autorizadas somam 23 vezes o orçamento do Ministério da Infraestrutura em 2021. A pasta cuida não apenas das ferrovias, mas também de todos os ativos de infraestrutura de transportes federais, incluindo portos, aeroportos, rodovias e hidrovias.

Um dos atrativos do novo marco é a possibilidade de exploração do setor por meio de autorização, e não apenas por licitação. Por esse modelo, o Estado permite que as empresas privadas invistam em projetos sem precisar se submeter a condições prévias, como local e extensão. Em contrapartida, no entanto, as companhias assumem o risco da operação.

Fonte: https://revistaoeste.com/economia/governo-estima-r-180-bi-em-investimentos-em-ferrovias/

People Mover do Aeroporto de Guarulhos voltará a ser analisado pelo TCU

Suspenso pelo Tribunal de Contas da União (TCU) dias depois de o governo Bolsonaro assinar um aditivo junto à GRU Airport para viabilizar sua implantação, o People Mover do Aeroporto de Guarulhos voltará a ser analisado pelo Ministro Vital do Rêgo nesta semana.

O relator levará o caso a plenário após receber novos documentos das entidades envolvidas no projeto, que prevê a construção de um sistema de transporte automatizado que ligue os três terminais do aeroporto à Linha 13-Jade da CPTM.

Anunciado pelo governador João Doria em maio de 2019, o People Mover vem passando por vários atrasos desde então. Primeiro porque havia divergências entre a concessionária do aeroporto, a GRU Airport, e a ANAC, a agência federal de aviação civil, quanto à escolha do fornecedor.

Pelos critérios do governo, levou o AeroGRU, consórcio liderado pela Aeromovel, do Rio Grande do Sul, porém, a GRU Airport preferia o sistema oferecido pela GRU Connecta, da empresa austríaca Doppelmayr, mas com custo bem maior.

Nesse meio tempo, ainda era preciso convencer o Tribunal de Contas da real necessidade do sistema, que substituirá um serviço gratuito de ônibus oferecido pela concessionária. Mas o governo federal nunca chegou a enviar os documentos solicitados pelo órgão de controle até que no início de setembro, o Ministério da Infraestrutura decidiu assinar o aditivo à revelia do TCU.

Dias depois, após admitir surpresa com a decisão, Vital do Rêgo suspendeu a execução do projeto até que os envolvidos enviassem evidências da viabilidade do projeto, orçado em R$ 217,7 milhões para sua construção.

Pedido de reconsideração
No início de outubro, o consórcio AeroGRU enviou uma carta ao TCU em que pediu a reconsideração a respeito da decisão de suspender o aditivo.

A empresa solicitou ainda que faça parte do processo mesmo não sendo citada diretamente na discussão.

A AeroGRU argumentou que já assinou contrato com a concessionária do aeroporto e que teria se comprometido com fornecedores além de alegar ter “tomado as providências para a montagem do canteiro de obras e mobilização de mão de obra, tudo isso em momento difícil, onde são notórias as desorganizações das cadeias produtivas com a falta de produtos e significativos aumentos de custos”.

No documento, o consórcio busca exaltar ter sido a melhor opção na concorrência realizada pela AeroGRU, seja pelo aspecto financeiro ou técnico, além de garantir a segurança e eficiência do sistema Aeromovel.

No entanto, um dos principais pontos questionados pelo TCU não envolve exatamente qual sistema será implementado, mas sim comprovar que um People Mover é a opção de transporte mais vantajosa se comparada a outras alternativas como o próprio ônibus.

O Tribunal, como se sabe, tem como principal função zelar pelo gasto dos recursos federais, nesse caso, a renúncia de parte da outorga devida pela GRU Airport à ANAC pela concessão do aeroporto.

Fonte: https://revistaferroviaria.com.br/2021/12/people-mover-do-aeroporto-de-guarulhos-voltara-a-ser-analisado-pelo-tcu/

Em 3 leilões de trilhos e dormentes no ano, CPTM arrecada R$ 26,6 milhões

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) arrecadou R$ 7,9 milhões em seu terceiro leilão realizado neste ano de materiais ferroviários que não servem mais para ela. Entre os itens vendidos, estavam trilhos, dormentes e sucatas.

Com isso, já foram arrecadados pela empresa R$ 26,6 milhões em 2021. No primeiro leilão, em fevereiro, o montante chegou a R$ 11,6 milhões, enquanto no segundo, em julho, a arrecadação alcançou R$ 7,1 milhões.

Não havia lotes com carros de passageiros à venda, como já ocorreu no leilão de novembro do ano passado, com vagões comercializados por preços iniciais de R$ 40.550.

Dos 101 lotes disponíveis agora, 90 foram arrematados no certame, que superou em 10% os R$ 7,2 milhões previstos inicialmente. O leilão foi realizado no último dia 15.

A maior procura dos compradores foi por trilhos ferroviários, que renderam R$ 3 milhões, 38% do total arrecadado e que teve ágio de 5% em relação ao valor inicial. No último leilão, em julho, já tinha sido responsável pela maior fatia, com R$ 4 milhões, ou 56% do total.

A expectativa é que eles sejam reciclados para uso na produção de novos trilhos ou mesmo reaproveitados por outros operadores ferroviários.

Já sucatas de metal renderam R$ 2,4 milhões (18% de ágio), enquanto dormentes de madeira foram responsáveis por R$ 1,2 milhão. Os dormentes são usados principalmente pela indústria de móveis rústicos.

Fonte: https://revistaferroviaria.com.br/2021/11/em-3-leiloes-de-trilhos-e-dormentes-no-ano-cptm-arrecada-r-266-milhoes/

Cade multa Rumo em R$ 247 mi por inviabilizar atuação de rival

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) anunciou nesta quarta-feira (3) que aplicou multa de 247,1 milhões à Rumo+4,64% por abusar de posição dominante e criar dificuldades para rival de transporte ferroviário na exportação de açúcar.

A penalidade refere-se a uma investigação aberta em 2016, após a rival Agrovia alegar que dependia da Malha Paulista, controlada pela Rumo, para transportar açúcar até o Porto de Santos (SP), mas que a empresa esta estava criando empecilhos. Por isso, a Agrovia teve que encerrar suas atividades.

A denúncia foi reforçada por investigação da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), que detectou indícios irregularidades envolvendo as mesmas empresas.

De acordo com as investigações, a Rumo interditou o pátio de Santa Adélia (SP), então essencial às atividades da Agrovia, impossibilitando a empresa de prestar serviços aos clientes no período entressafra. A manutenção do pátio, segundo a ANTT, era de responsabilidade da própria Rumo.

A Agrovia não conseguiu manter suas atividades e se retirou do mercado ainda em 2016. Dessa forma, parte considerável da demanda antes atendida pela Agrovia foi realocada para a Rumo, que se beneficiou da ausência da concorrente no mercado, concluiu o Cade.

Fonte: https://revistaferroviaria.com.br/2021/11/cade-multa-rumo-em-r-247-mi-por-inviabilizar-atuacao-de-rival/

Alstom vai fornecer 58 novos trens para São Paulo: 36 para as linhas 8 e 9 (CPTM) e 22 para a linha 6 (Metrô), diz Doria

Governo anunciou a retomada e ampliação da fábrica em Taubaté com previsão de geração de 750 empregos; Para o exterior, serão mais de 70 trens

ADAMO BAZANI

A Alstom vai fornecer 58 novos trens para o sistema metroferroviário de São Paulo, sendo 22 composições com seis carros cada para a linha 6-Laranja do Metrô, que está sendo construída, e 36 trens para as linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), com oito carros cada. As duas linhas da CPTM foram concedidas à iniciativa privada e a partir de 25 de janeiro de 2022, passarão a ser operadas pelo consórcio ViaMobilidade 8 e 9, composto pela CCR e RuasInvest (que reúne empresários de ônibus).

A informação foi divulgada nesta terça-feira, 05 de outubro de 2021, pelo governo do Estado, quando o governador João Doria, o secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, e outra autoridades estiveram na cerimônia de anúncio de expansão da fábrica da Alstom, em Taubaté, no interior paulista.

A estimativa é que para atender a estes contratos para os transportes metropolitanos de São Paulo e pedidos internacionais, sejam gerados entre 700 e 750 empregos.

Doria explicou, por meio de nota, que contando as encomendas de São Paulo e os trens que serão exportados, a Alston deve fornecer em torno de 130 composições metroferroviárias.

“Essa é uma data muito importante, da retomada da produção nesta grande fábrica que, acreditando na região do Vale do Paraíba, no estado de SP e no Brasil, aqui fez investimentos expressivos. E agora retoma com grande força, com cinco novos contratos nacionais e internacionais para fornecimento de mais 130 trens. Isso é o renascimento da indústria de trens no Brasil. Isso tem importância estratégica para o Brasil”, disse

Segundo o secretário Alexandre Baldy, na mesma nota, “o aumento da produção industrial, propiciado pelas concessões metroferroviárias à iniciativa privada, fomenta o mercado de trabalho e favorece a geração de novos empregos”

A linha 6-Laranja do Metrô vai ligar a estação São Joaquim, na região central, à região da Brasilândia, na zona Noroeste, e é chamada linha das universidades pela quantidade de estabelecimentos de ensino que vai atender.

Já as linhas 8 – Diamante (Amador Bueno/Júlio Prestes) e 9-Esmeralda (Osasco/Grajaú, com prolongamento até Varinha são as que possuem atualmente maior demanda de passageiros da rede da CPTM, com mais de um milhão de passageiros por dia (número sem considerar a queda de demanda pela pandemia de covid-19).

PEDIDOS PARA SÃO PAULO:

Na mesma nota, a gestão explica em linhas gerais as encomendas para São Paulo.

Linhas 8 e 9

Para as Linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda da rede de Trens Metropolitanos de São Paulo, serão adquiridos 36 novos trens. As composições contarão com oito carros cada e espaços reservados para pessoas com mobilidade reduzida, além de serem equipados com tecnologias modernas para contagem de passageiros, mapas dinâmicos de linhas, monitores, vigilância por vídeo, detectores e extintores de incêndio. Diariamente, cerca de 1,1 milhão de passageiros serão transportados nas duas linhas, que atenderão, principalmente, a região sul da capital e municípios do oeste da Região Metropolitana de SP.

Linha 6

Já para a Linha 6-Laranja do Metrô de São Paulo, serão fornecidos 22 trens, com seis carros cada, envolvendo montagem, equipamentos de tração e materiais, como portas, computação de bordo, sistemas de ar-condicionado e as suas respectivas garantias. A linha, que ligará o centro à zona norte da capital, deverá transportar diariamente mais de 630 mil passageiros por dia.

AMPLIAÇÃO DA FÁBRICA:

Os mais 130 trens, entre os 58 para São Paulo e mais de 72 para exportação, terão cerca de 750 carros (o nome correto para “vagão”).

Para atender a esta demanda, as áreas produtivas da fábrica serão ampliadas e devem ser contratados entre 700 e 750 trabalhadores, a maioria morando em Taubaté ou cidades vizinhas.

A mão de obra para a fabricação de veículos de transporte coletivo de grande porte, como ônibus e trens, precisa ser especializada.

Por este motivo, a Alstom vai promover cursos de capacitação de mão de obra juntamente com o SENAI Taubaté.

“Investir no país e saber que a empresa é a responsável pela mobilidade de milhões de pessoas em grandes cidades como São Paulo, além de Taipei e Bucareste, é motivo de grande orgulho para todos os funcionários da Alstom no Brasil”, disse na mesma nota o vice-presidente Sênior da Alstom para a América Latina, Michel Boccaccio.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Fonte:https://simefre.org.br/alstom-vai-fornecer-58-novos-trens-para-sao-paulo-36-para-as-linhas-8-e-9-cptm-e-22-para-a-linha-6-metro-diz-doria/

Com aumento de receita a um ano das eleições, governadores já planejam obras em 2022.

Enquanto o governo federal faz as contas e tenta emplacar a aprovação de projetos ainda em 2021 para viabilizar ações e programas para o ano eleitoral, como a reformulação do Bolsa Família, os estados vão chegar a 2022 com uma situação fiscal melhor.

Entre 2019 e 2021, as receitas dos entes cresceram 26%, segundo cálculos da economista Vilma Pinto, diretora da Instituição Fiscal Independente (IFI), órgão ligado ao Senado Federal. O volume saltou de R$ 921,7 bilhões para R$ 1,16 trilhão, principalmente devido ao aumento da arrecadação do ICMS e dos repasses para o Fundo de Participação dos Estados (FPE).

Apesar de as receitas estarem turbinadas por fatores conjunturais, vários governadores já planejam como gastar esses recursos. Os governadores João Doria (SP) e Eduardo Leite (RS), que disputam a candidatura à presidência pelo PSDB já anunciaram projetos nas áreas de rodovias e de metrô.

Ações na saúde e educação tambéme estão nos planos dos governadores, incluindo os do Rio e de Minas Gerais. Veja como os governadores já planejam gastar os recursos em caixa.

Fonte: https://revistaferroviaria.com.br/2021/10/com-aumento-de-receita-a-um-ano-das-eleicoes-governadores-ja-planejam-obras-em-2022/

Baldy diz que o primeiro trem da Linha 17-Ouro pode chegar em março.

Em entrevista ao canal Money Report, o secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, disse acreditar que o primeiro trem do monotrilho da Linha 17-Ouro poderá chegar no Brasil em março de 2022. O titular da pasta ainda falou que o “desafio é fazer aquela linha funcionar em 2022.“.

Os 14 trens que devem operar no trecho entre as estações Washington Luís, Aeroporto de Congonhas e Morumbi, além do Pátio Água Espraiada, estão sendo produzidos pela BYD.

“Se nós teremos o trem aqui, os testes poderão ser iniciados nas vias. Portanto, as obras nas estações estão avançadas, boa parte delas estão em mais de 80% de conclusão, estão na fase de acabamento.” – disse ainda Baldy.

O ex-ministro ainda comentou que as obras na estação Morumbi já acabaram e a próxima a ser finalizada é na Estação Chucri Zaidan.

Fonte: https://revistaferroviaria.com.br/2021/09/baldy-diz-que-o-primeiro-trem-da-linha-17-ouro-pode-chegar-em-marco/

CPTM prepara novo edital de concessão das estações Estudantes, Jundiapeba e Mogi; antigo projeto não recebeu propostas.

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) divulgou que prepara um novo edital de concessão de exploração comercial das estações de trem Estudantes, Jundiapeba e Mogi das Cruzes, na Linha 11-Coral da CPTM, para posterior publicação.

No começo do ano, a CPTM havia divulgado a concessão das três estações em um mesmo lote, em que o vencedor teria o direito à exploração comercial de áreas, compreendendo a ampliação, construção, administração e manutenção destes locais. No entanto, segundo a companhia, o edital não recebeu propostas.

Em agosto de 2020, a CPTM divulgou a contratação de uma empresa para o desenvolvimento de um anteprojeto para a reforma e ampliação das três estações da Linha 11-Coral. Segundo a CPTM, esse projeto é usado como base para os editais.

“A companhia reafirma sua intenção em buscar parceria com a iniciativa privada para que eles participem investindo nas estações e ambientes que são viáveis”, destacou em nota nesta semana.

Mogi das Cruzes
O projeto de modernização da estação Mogi das Cruzes se arrasta desde 2013, quando técnicos da prefeitura e da companhia concluíram o estudo de construção da nova estação, que incluía ainda a abertura dos túneis no Complexo Viário Jornalista Tirreno Da San Biagio, etapa já entregue pela administração municipal.

Em 2019, a CPTM informou que desde 2014 aguardava recursos prometidos pelo governo federal, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Mobilidade, para a reconstrução da estação Mogi das Cruzes, e somente em dezembro de 2016, a União descartou o envio da verba.

Neste meio tempo, o Ministério Público recomendou a acessibilidade nas estações da companhia. Diante da negativa do Governo Federal sobre o repasse, a CPTM realizou as obras de acessibilidade nas estações do Alto Tietê, com a implantação de itens como rampas, piso tátil e sanitário exclusivo para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida.

Fonte: https://revistaferroviaria.com.br/2021/09/cptm-prepara-novo-edital-de-concessao-das-estacoes-estudantes-jundiapeba-e-mogi-antigo-projeto-nao-recebeu-propostas/

Nova locomotiva “100% CPTM” chega à SP e passará por testes.

A CPTM recebeu sua primeira locomotiva “100% da companhia”, produzida pela Progress Rail. O veículo de manutenção foi fabricado na empresa em Hortolândia e chegou ao Pátio e Abrigo de trens e locomotivas da Lapa, na semana passada.

A nova locomotiva será usada nos reparos das linhas que ainda estiverem sob à responsabilidade da CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, neste caso às linhas 7-Rubi (está enquanto não for concedida), 10-Turquesa, 11-Coral, 12-Safira e 13-Jade.

As atuais locomotivas usadas pela CPTM foram herdadas por outras empresas do passado, como a Fepasa, a CBTU, entre outros. A nova locomotiva é a primeira a ser adquirida pela operadora de trens.

A nova locomotiva deve entrar em operação, somente após a realização de todos os teste necessários para sua homologação.

Fonte: https://revistaferroviaria.com.br/2021/09/nova-locomotiva-100-cptm-chega-a-sp-e-passara-por-testes/

Novo trem leva turistas ao Vale das Frutas e resgata passado ferroviário de SP.

IstoÉ Dinheiro – Um caminho que escoou grande parte da produção cafeeira paulista e levou imigrantes ao interior começou a receber turistas a partir deste fim de semana no interior de São Paulo. Chamado Expresso Vale das Frutas, o passeio foi inaugurado na sexta-feira, 24, com o objetivo de levar visitantes a Valinhos, Vinhedo e Louveira e valorizar o patrimônio ferroviário do interior, cuja ferrovia desta região completa 150 anos de inauguração no ano que vem.

O passeio abrange um trecho da primeira linha da Companhia Paulista de Estrada de Ferro, que ligava Jundiaí a Campinas, trajeto utilizado nos últimos anos apenas para a passagem de carga. Ele abrange três estações ferroviárias centenárias, tombadas como patrimônio histórico de São Paulo, que passaram por reparos, mas ainda não por restauro completo.

O roteiro é celebrativo e temporário, com viagens até 12 de outubro, de sexta-feira a domingo. Não há previsão de uma nova abertura de datas. Os ingressos custam de R$ 65 a R$ 98 (ida e volta), com vendas exclusivamente pelo site oficial (clique aqui).

O passeio é lançado em um momento em que as opções de viagens ferroviárias turísticas estão reduzidas, em função da pandemia. O Expresso Turístico da CPTM retomou, por exemplo, um dos três roteiros, mas exclusivamente para quem teve a viagem suspensa em março de 2020, sem ter previsão para a volta da venda de passagens.

Os carros do Expresso Vale das Frutas são de momentos e propostas variados. O mais antigo é de 1952 e atendia justamente a Companhia Paulista de Estrada de Ferro. Há alguns mais “diferentões”, como o de 1962 que foi adaptado em 1995 para virar um bar, com distribuição mais informal de bancos e mesas e espaço para a oferta de bebidas. Já o Caboose, de 1973, diferencia-se por ter duas varandas, com bancos abaixo de uma cobertura com toldo. Também está incluído um vagão adaptado para o transporte de passageiros com bicicletas.

“É uma bela mistura, um museu ambulante de épocas e ferrovias diferentes (por envolver vagões que originalmente percorriam percursos variados)”, conta o diretor-presidente da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária, Bruno Sanches. Parte dessa história será contada durante o passeio por monitores da entidade.

Sanches conta que os vagões foram levados até Valinhos por meio de uma “megaoperação logística”, saídos de outras partes de São Paulo e Minas Gerais. Parte do valor do ingresso será repassada à associação, sem fins lucrativos, que restaura vagões sem uso e/ou abandonados, trabalho que ele diz custar de R$ 500 mil a 800 mil.

Segundo ele, 8 mil pessoas chegaram a fazer um pré-cadastro para os ingressos, embora não seja obrigatório para a compra. Cada viagem poderá transportar cerca de 300 passageiros.

No passeio, os turistas poderão montar o próprio roteiro, optando por trajetos a partir de qualquer uma das estações. “São cidades coirmãs e com características complementares. Louveira está com a estação reformada. Vinhedo tem uma pujança gastronômica muito forte. Valinhos tem uma conexão com a Serra dos Cocais, que proporciona uma experiência ecológica”, comenta Leonardo Camanzi, presidente da Vale das Frutas Convention & Visitors Bureau, uma das organizadoras.

Ele considera que a região está virando uma “grife” no Estado e cita a chegada de novos moradores durante a pandemia, atrás de tranquilidade e proximidade com a natureza. A promoção do passeio está ligada à valorização da produção local, desde o pastel de figo típico de Valinhos até marcas nascidas nos três municípios.

Programação

Foram organizados eventos nas imediações das estações, como o Festival Gastronômico do Expresso Vale das Frutas e uma exposição de automóveis antigos (de 2 a 3 de outubro), além de apresentações de músicos e dançarinos e feiras de artesanato e produtos rurais. Monitores também vão orientar sobre opções turísticas do entorno.

Em Vinhedo, haverá uma feira com vinho e suco de uva locais. Já a Prefeitura de Louveira oferecerá um passeio de trenzinho urbano até a Fazenda Santo Antônio, por exemplo.

Em Valinhos, uma das atrações é o Museu Fotógrafo Haroldo Ângelo Pazinatto, localizado na antiga estação ferroviária. Presidente da Associação de Preservação Histórica de Valinhos (APHV), Marcel Pazinatto conta que o espaço reúne imagens feitas ao longo de 60 anos, desde a década de 1940.

Com cerca de 1,2 mil peças, o acervo do museu reúne também antigos pertences de famílias do município, como utensílios domésticos, instrumentos musicais, televisões e rádios, além de itens de outros períodos da ferrovia. “São materiais que remetem à origem de Valinhos”, descreve.

Contratempo

Com a presença de autoridades, a viagem de inauguração do passeio não teve o percurso completo na sexta-feira. O motivo foi um foco pontual de incêndio em uma área rural no trajeto, que afetou os trilhos antes da passagem do trem, que teve de retornar antes de chegar à última estação. Segundo a organização, uma equipe foi enviada ao local para resolver a situação ainda na sexta e não há alteração na programação de viagens.

Conheça outras opções de passeios sobre trilhos em São Paulo

Trem de Guararema

Da estação Central à Vila Luís Carlos, com 2h de duração. Sábados e domingos, às 10h e às 14h30. R$ 70 (ida e volta). Saída da estação Central (Rua Doutor Falcão, 4 – Guararema). Ingressos e informações: tremdeguararema.com.br.

Maria Fumaça de Campinas

Dois tipos de passeio. Até Jaguariúna, com 3h30 de duração, saídas às 10h10 e custo de R$ 140 a R$ 150 (espaço VIP). Até Tanquinho, com 2h de duração, com partida às 15h e custo de R$ 100. Ambos ida e volta. Sábados e domingos. Opções de viagens temáticas, como Café Magnífico, Chá Imperial, Boteco no Trem e Trem das Crianças, em datas especiais. Saída da estação Anhumas (Rua Doutor Antônio Duarte da Conceição, 1.501 – Campinas). Ingressos e informações: mariafumacacampinas.com.br.

Bonde de Campos do Jordão

Duas opções de passeio. Até Vila Abernéssia, com 30 minutos de duração e custo de R$ 20. Até Portal, com 50 minutos e por R$ 30. Ambos ida e volta, com saída a cada hora. De segunda a quinta-feira, das 10h às 16h, e de sexta a domingo, das 10h às 17h. Embarque na estação Emílio Ribas (Av. Emílio Ribas, 1.111 – Campos do Jordão). Ingressos no local. Mais informações: efcj.sp.gov.br.

Expresso turístico da CPTM

Viagens voltaram exclusivamente para público que comprou ingresso em março de 2020. Não há data para retorno da venda. Passeios com saída para Luz até Jundiaí, Paranapiacaba e Mogi das Cruzes. Informações: cptm.sp.gov.br/sua-viagem/ExpressoTuristico.

Fonte: https://revistaferroviaria.com.br/2021/09/novo-trem-leva-turistas-ao-vale-das-frutas-e-resgata-passado-ferroviario-de-sp/