NOTÍCIAS

Vagões da primeira viagem de trem da ferrovia Norte-Sul chegam ao Porto de Santos, SP.

G1 – Os vagões da primeira viagem de trem da ferrovia Norte-Sul chegaram ao Porto de Santos, no litoral de São Paulo, na última quinta-feira (3). Cerca de 120 vagões carregados de soja vieram dos terminais de Rio Verde, em Goiás, e São Simão (SP).

A viagem marca o período de testes da futura operação da Malha Central, da ferrovia Norte-Sul. A primeira viagem começou no terminal de Rio Verde, onde foram carregados 40 vagões com soja. O trem passou por São Simão e outros 80 vagões com soja foram adicionados na composição. Os 40 primeiros vagões foram descarregados em Santos e os outros em um terminal da margem esquerda do porto, em Guarujá.

Esse trecho da ferrovia facilitará o escoamento da produção agrícola do Centro-Oeste para o Porto de Santos. Ele é operado pela Rumo, empresa que arrematou, em leilão, em março de 2019, os tramos central e sul da ferrovia.

Para tornar a malha ferroviária operacional, a empresa investiu em obras de infraestrutura e terminais, incluindo a implantação de trilhos e a construção de quatro pontes entre os estados de Goiás, Minas Gerais e São Paulo. Com duração de 30 anos, o contrato abrange 1.537 quilômetros entre Porto Nacional (TO) e Estrela D’Oeste (SP), que estarão totalmente operacionais até o fim de julho de 2021.

De acordo com o Governo Federal, a Ferrovia Norte-Sul, cujo projeto foi anunciado ainda durante o governo José Sarney (1985-1990), foi desenhada para ser a espinha dorsal do sistema ferroviário nacional. Uma projeção da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) indica que a demanda potencial da Norte-Sul é de movimentar 22,73 milhões de toneladas de cargas até 2055.

A Ferrovia Norte-Sul reduz os custos de transporte e, assim, barateia a comercialização dos produtos no mercado interno e os torna mais competitivos no exterior. O transporte ferroviário incentiva a produção agrícola, reduz a emissão de poluentes e os acidentes em estradas.

Fonte: https://revistaferroviaria.com.br/2021/06/vagoes-da-primeira-viagem-de-trem-da-ferrovia-norte-sul-chegam-ao-porto-de-santos-sp/

Leilões da BR-163, Ferrogrão, Fico e Ferronorte: Brasil terá redução de frete sem precedentes, diz ministro Tarcísio.

Jovem Pan – “Aviso aos pessimistas: O Brasil vai dar certo.” Com essa mensagem, publicada no dia 1º de junho, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, expressou seu otimismo em relação à economia do país. A notícia de que o PIB do primeiro trimestre bateu em 1,2% — crescimento acima do esperado — foi animadora, mas o militar da reserva tem outros motivos para vislumbrar período econômico mais abundante. Em entrevista à coluna, Tarcísio destacou a temporada de leilões a ser iniciada no segundo semestre de 2021, com as concessões da BR-163, Ferrogrão, Fico e Ferronorte. “Isso vai acelerar muito a provisão da infraestrutura ferroviária. O aumento da oferta de transportes será o maior legado da minha gestão para o agro”, disse o ministro. “Aquela máxima do Brasil eficiente da porteira pra dentro, mas não da porteira para fora vai ficar no passado.”

Kellen Severo – Ministro, qual sua expectativa?
Tarcísio de Freitas – No Tribunal de Contas da União, a coisa está muito azeitada e já na fase final. Entendo que se a gente superar a questão do Supremo Tribunal Federal, que é o que ainda trava um pouco esse leilão da Ferrogrão, consegue publicar o edital e fazer o leilão neste ano, e vai ser um leilão bem sucedido. Eu estou trabalhando muito para que ele aconteça. Tivemos uma notícia boa na semana passada, que é a da formação de um veículo de investimento que está olhando a Ferrogrão. Esse anúncio foi feito pela Hidrovias do Brasil e pela VLI, que são grupos que conhecem a logística brasileira, conhecem o Arco Norte e estão se preparando para essa jornada. E a gente tem outros players de grande porte que podem fazer parte deste mesmo veículo. A ferrovia ligará Sinop, em Mato Grosso, a Miritituba, no Pará, e deverá aumentar a competitividade do agronegócio brasileiro ao facilitar o escoamento da produção agrícola pelo Arco Norte do país. Enquanto a Ferrogrão não avança, os produtores rurais esperam novidades sobre a concessão de trecho da BR-163, rodovia conhecida por ser rota de escoamento de grãos, do Centro-Oeste ao Norte do Brasil.

Kellen Severo – O leilão da BR-163 está previsto para o dia 8 de julho. Já há interessados?
Tarcísio de Freitas – Temos interessados. Algumas empresas de grande porte, pelo menos um grupo de grande porte, que também está de olho nesse veículo da Ferrogrão. Nós temos novos entrantes, um grupo novo, que está querendo fazer seus investimentos no Brasil, já nos procurou e mostrou intenção de participar. Temos agora alguns pequenos e médios players que também começam a demonstrar interesse pela BR-163. Eu acredito que a gente vai ter mais um leilão bem sucedido. A gente resolve um grande problema, que é transferir esse ativo para a iniciativa privada, de modo que eles possam fazer a manutenção, a gestão e a operação dessa rodovia até a entrada da Ferrogrão, que, de fato, vai levar muito da carga para a ferrovia.

Kellen Severo – E em relação à Fico (Ferrovia de Integração Centro-Oeste), temos uma expectativa agora para junho, certo?
Tarcísio de Freitas – Certo, está quase tudo pronto. Está para sair a retificação da licença de instalação, porque a gente fez uma mudança, singela, no traçado que leva para Mara Rosa (GO), para melhorar a operação e aproveitar as características de topografia da região, evitar que a gente tenha uma operação assistida por helper. Então, essa licença de instalação está para sair. Já iniciamos o processo de desapropriação dos primeiros 30 km, fizemos a inserção da ferrovia no Reidi (Regime Especial de Incentivo para Desenvolvimento da Infraestrutura no Ministério da Infraestrutura), no regime tributário, então está quase tudo pronto para, em junho, começarmos a obra da Ferrovia de Integração do Centro-Oeste.

Kellen Severo – E em relação à Ferronorte?
Tarcísio de Freitas – A Ferronorte depende somente da aprovação pelo Senado do projeto PLS 261/2018. Vai nos dar a possibilidade de trabalhar com autorizações no Brasil. É uma mudança de regime jurídico que traz para o nosso sistema o regime das autorizações, que já existe nos Estados Unidos, já existe no setor portuário, no setor de telecomunicações. É um regime amplamente conhecido, no qual o investidor toma o risco de engenharia e passa a ter um período mais longo de contrato, com menos servidão regulatória. Isso passando, a gente pode fazer autorização de imediato, não só desse trecho da extensão da Ferronorte, ali de Rondonópolis (MT) até Lucas do Rio Verde (MT), mas também de outros segmentos nos quais já temos interessados, como Açailândia (MA)-Alcântara (MA), Juazeiro (BA)-Aratu (BA), Sete Lagoas (MS)-São Mateus (ES), Maracaju (MS)-Cascavel (PR). Enfim, uma série de segmentos aptos a conseguir autorização, e isso vai acelerar muito a provisão da infraestrutura ferroviária no Brasil.

Kellen Severo – Qual o grande legado que o senhor vai deixar para o agro brasileiro na sua gestão?
Tarcísio de Freitas – Um aumento da oferta de transporte. Ter mais oferta significa ter menor preço. No ano passado, nós tivemos, pela primeira vez, uma movimentação de grãos no Arco Norte que se igualou a dos portos do Sul e Sudeste. Isso nunca tinha acontecido. Pela primeira vez também, conseguimos tirar soja de Mato Grosso e levar pra China mais barata do que a do produtor de Illinois (EUA), Minnesota (EUA)… Isso nunca tinha acontecido. E a tendência com esse aumento da oferta de transporte, com a entrada em operação da Ferrogrão, com a entrada em operação da Fico, é que a gente tenha, realmente, uma redução de frete sem precedentes na nossa história. E aquela máxima do Brasil eficiente da porteira pra dentro, mas não da porteira para fora vai ficar no passado.

Fonte: https://revistaferroviaria.com.br/2021/06/leiloes-da-br-163-ferrograo-fico-e-ferronorte-brasil-tera-reducao-de-frete-sem-precedentes-diz-ministro-tarcisio/

Ferrovia impactará 425 municípios e estima receber R$ 20 bilhões em investimentos.

MS Notícias – Nova Ferroeste, a ferrovia que promete ligar os estados de Mato Grosso do Sul (MS) e Paraná, terá 1.285 km de extensão e impactará diretamente 425 cidades nos estados de MS, Paraná e Santa Catarina.

O projeto que vem sendo chamado de super ferrovia ou Corredor Oeste de Exportação conectará as cidades de Maracaju (MS) e Paranaguá (PR).

O presidente da Ferroeste, André Luiz Gonçalves, disse ao MS Notícias que a conclusão deste projeto, a Ferroeste irá se tornar uma das mais importantes ferrovias do país. “[ficará] atrás apenas da Norte-Sul e da Transnordestina (ambas ainda em construção, com 4.155 km e 1.728 km de extensão, respectivamente). Ou seja, teremos aqui um trecho ferroviário com capacidade para atender as principais áreas produtivas nacionais”, avaliou.

A ferrovia pode se tornar um dos mais importantes trechos de transporte de cargas sobre trilhos do Brasil e um dos maiores corredores de exportação dos produtos nacionais.

Em fase de estudos de viabilidade e de impactos ambientais, a ferrovia contará com projeto bastante robusto. “Nosso papel não é só produzir um estudo técnico bem aprofundado e sim um dos projetos mais completos, em termos de ferrovias, do Paraná e do país. A cada passo que damos, sempre procuramos validá-los com os setores produtivos, com os governos competentes e todos os demais envolvidos, para que, por onde essa ferrovia passar, traga muitas coisas boas: mais empregos, mais investimentos e mais recursos”, explicou.

O presidente diz que projeto contará com investimentos. “Não tenho dúvidas de que a ferrovia irá captar muitos aportes, tanto nacionais quanto internacionais. Nossa expectativa é que chegue na ordem de R$ 20 bilhões”, estimou.

Segundo Gonçalves, os estudos apontam para uma economia de até 30% nos custos de transporte da área produtiva do Estado. “Em 2019, por exemplo, quando demos início aos estudos de implantação do projeto, havia uma informação que apontava que as cooperativas do Estado, que são as maiores da América do Sul, economizariam cerca de R$ 800 milhões em fretes caso a Nova Ferroeste já estivesse em operação naquele momento. Hoje, essa economia giraria em torno de R$ 1 bilhão. Esse dinheiro poderá ser aplicado na própria região”, ressaltou.

Outra vantagem do novo trajeto é o aumento da capacidade de transporte da ferrovia, que vai crescer muito em comparação ao que é movimentado atualmente, pontua o executivo. “Fazemos o transporte de, em média, 1 milhão de toneladas de cargas ao ano no atual trecho e, com a ampliação, faremos a movimentação de aproximadamente 35 milhões, ou seja, 35 vezes mais, apenas no primeiro ano de operação da nova ferrovia. Esse volume pode aumentar muito mais, porque são dois estados agroindustriais muito fortes, tanto o Mato Grosso do Sul quanto o Paraná”.

Há ainda a questão da empregabilidade, já que o projeto deve gerar mais oportunidades de trabalho para a região. “Com certeza, essa é uma iniciativa que vai mobilizar bastante mão de obra, tanto para a fase de construção do novo percurso quanto para os postos de trabalho que serão gerados após a conclusão, como cargos operacionais, de manutenção, de operação de locomotivas, entre outros. Serão milhares de empregos gerados a partir deste projeto”, completou.

Para ele, o mundo todo tem ferrovias que transformam a realidade local e a ideia é fazer isso também no Brasil. “Nós torcemos não apenas pelo sucesso do nosso projeto, mas também para o de todos os outros que envolvam o modal ferroviário no Brasil. Com todos dando certo, quem ganha é o país”, finalizou.

Fonte: https://revistaferroviaria.com.br/2021/06/ferrovia-impactara-425-municipios-e-estima-receber-r-20-bilhoes-em-investimentos/

Trem da CPTM passa a ligar Jundiaí ao ABC Paulista a partir de terça-feira.

Trens passarão a fazer viagens ininterruptas entre Jundiaí e Rio Grande da Serra (SP).

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) anunciou que, a partir desta terça-feira (4), a linha de trem de Jundiaí (SP) vai ligar diretamente ao ABC Paulista.

Com o serviço 710 nas linhas 7 – Rubi e 10 – Turquesa, os trens passarão a fazer viagens ininterruptas entre Jundiaí e Rio Grande da Serra (SP).

O objetivo é atender a um pedido das pessoas que vivem e trabalham no ABC Paulista e na região norte metropolitana de São Paulo.

Durante toda a operação, todos os dias, das 4h até meia-noite, o destino final do percurso deixará de ser a Estação Brás, passando a contar com 31 estações e duração da viagem de pouco mais de duas horas.

Fonte: https://g1.globo.com/sp/sorocaba-jundiai/noticia/2021/05/03/trem-da-cptm-passa-a-ligar-jundiai-ao-abc-paulista-a-partir-de-terca-feira.ghtml

Conselho de Saúde recomenda ampliar frota de transportes em SP para conter Covid.

Agora – O CES (Conselho Estadual de Saúde) emitiu uma recomendação ao governo estadual para que ele amplie a frota e horários de circulação dos transportes públicos para reduzir a lotação do sistema e garantir o distanciamento social. Segundo a Secretaria de Transportes Metropolitanos, isso só será possível após a vacinação de todos os funcionários.

Pelo cronograma divulgado até agora pelo governo estadual, funcionários do Metrô e da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) começam a a ser vacinados contra a Covid no dia 11 de maio. Já motoristas e cobradores de ônibus urbanos recebem a imunização no dia 18.

Desde o início da pandemia, as linhas de metrô, trens e ônibus intermunicipais tiveram redução na oferta. Isso ocorreu, entre outros motivos, pela queda expressiva na demanda.

Com a redução, até mesmo a linha 2-verde do metrô, que dá acesso a hospitais, teve aumento na espera em 2020. Dados do próprio Metrô mostram de que o usuário teve de esperar até 4 minutos e 34 segundos na plataforma à espera de um trem no ano passado, seja; 1 minuto e 20 acima do tempo que aguardavam em 2019 (41% a mais).

A linha 2-verde também sofreu corte na quantidade de viagens disponíveis em 24,7%, passando de 833 partidas em 2019 para 627 no ano passado.

A recomendação do conselho foi publicada na edição desta quinta-feira (29) do Diário Oficial do Estado. No documento, o órgão afirma que o transporte coletivo é responsável por 50% das viagens motorizadas e fornece um serviço essencial para manter as cidades em movimento.

O comunicado diz ainda que cabe ao poder público tomar providências para evitar a propagação do novo coronavírus, mantendo a operação adequada do serviço durante a crise e garantir a viabilidade financeira das empresas. “A saúde da população vem em primeiro lugar”, afirma trecho do documento.

A recomendação enfatiza que os custos das operações de transportes públicos não devem ser transferidos para a tarifa. “Uma vez que são os segmentos mais vulneráveis da população os maiores dependentes do serviço de transporte público”, diz o documento.

O conselho integra a Secretaria Estadual da Saúde. Ele é composto por cerca de 60 pessoas, entre titulares e suplentes, e reúne representantes do governo João Doria (PSDB), prestadores de serviço, profissionais de saúde e usuários. Ele tem a função de criar estratégias e políticas de saúde. Quem preside o órgão é o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn.

Resposta
Em nota, a Secretaria dos Transportes Metropolitanos, da gestão João Doria (PSDB), diz que está com “Operação Monitorada” desde o início da pandemia. Ela consiste em fazer avaliações de cada faixa de horário, adequando a oferta à demanda.

“Lembrando que o sistema de trilhos foi projetado e construído para transportar alto fluxo de pessoas da origem ao destino, aglomerado de pessoas em grandes escalas”, diz trecho da nota.

Ainda segundo a secretaria, em março de 2020, no início da pandemia, a demanda caiu 80% em um dia normal entre as três empresas sob sua responsabilidade –Metrô, CPTM e EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos).

A pasta afirma ainda que a demanda é atendida com 100% da frota disponível, e que só poderá manter a totalidade da operação após a vacinação de todos os seus funcionários.

“Por isso, aguardamos as vacinas disponíveis para termos todos os nossos trabalhadores na operação e a frota integral”, diz o texto.

A nota ainda afirma que a secretaria defende a implementação do escalonamento obrigatório de entrada e saída de trabalhadores em atividades essenciais de modo a desafogar o sistema. O Plano São Paulo de enfrentamento à Covid-19 faz apenas a recomendação para o escalonamento dependendo da área.

“Assim como o estado determina o fechamento de atividades não essenciais, pode determinar o escalonamento das atividades essenciais”, diz o texto.

Fonte: https://revistaferroviaria.com.br/2021/04/conselho-de-saude-recomenda-ampliar-frota-de-transportes-em-sp-para-conter-covid/

CPTM assina contrato de R$ 26 milhões para obras de implantação de viadutos rodoviários de transposição da Linha 9-Esmeralda.

Diário do Transporte – A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) assinou contrato com o Consórcio Castilho – Vad no valor de R$ 26 milhões (R$26.015.227,01) para a execução de obras de implantação de viadutos rodoviários para transposição da Linha 9 – Esmeralda da CPTM, Trecho Grajaú – Varginha – Lote 2.

O Consórcio é composto pela empresas Castilho Engenharia e Empreendimentos S/A e Vad Engenharia e Empreendimentos Ltda.

O Consórcio foi declarado vencedor no dia 02 de dezembro de 2020. Uma semana depois, a Companhia comunicou a suspensão da licitação, em razão da interposição de recurso administrativo contra o resultado pela Construtora Ubiratan Ltda. O recurso da empresa foi negado, e o resultado final declarando o Consórcio Castilho – Vad vencedor do certame foi homologado em 28 de dezembro de 2020.

O extrato de contrato foi publicado no Diário Oficial desta sexta-feira, 30 de abril de 2021.

A obra é referente ao Trecho Grajaú-Varginha, Lote 2, no extremo sul da cidade de São Paulo, e compreende o trajeto entre a estação Mendes/Vila Natal e Varginha.

Como mostrou o Diário do Transporte em fevereiro de 2020 a CPTM rescindiu o contrato com o Consórcio Verdebianco e WVG destinado à construção dos viadutos rodoviários.

O contrato foi assinado em 07 de fevereiro de 2018 por R$ 18,3 milhões, e o extrato de rescisão publicado oficialmente no dia 07 de fevereiro de 2020.

A previsão é de que todo o trecho da extensão tenha quatro viadutos rodoviários para reorganizar o tráfego dos veículos.

No dia 07 de janeiro de 2021, a CPTM publicou um termo de aditamento de contrato correspondente a uma das obras do lote 1 da expansão da Linha 9-Esmeralda até o extremo Sul da capital.

O objetivo do documento assinado em 6 de janeiro é prorrogar o prazo do contrato atual em dois meses para assim readequar com o cronograma do empreendimento, que consiste na implantação de viadutos rodoviários para transposição da Linha 9 – Esmeralda da CPTM, trecho Grajaú – Varginha. O contrato é com a Construtora Ubiratan Ltda.

O Diário do Transporte já tinha noticiado em 10 de outubro de 2020, já tinha ampliado em seis meses e R$ 5 milhões contrato de obras de uma das obras da extensão da Linha 9 Esmeralda.

As obras do referido lote 1 fazem parte da expansão entre Grajaú e Varginha localizadas na Zona Sul da capital paulista e contam no projeto total e demais lotes, a construção de duas novas estações, implantação de sistemas de energia, sinalização, comunicação, via permanente, entre outros e também a construção de viadutos para o trânsito de veículos, eliminando assim eventuais travessias em nível dos trilhos, contribuindo para a melhoria da mobilidade e da operação dos trens.

A extensão da linha 9 foi dividida em dois lotes, sendo o lote 1 do atual terminal Grajaú à futura estação intermediária Mendes/Vila Natal, e o lote 2, de Vila Mendes/Natal ao futuro terminal Varginha.

A Linha 9-Esmeralda (Osasco-Grajaú) transporta atualmente cerca de 620 mil usuários por dia útil. Com a ampliação de 4,5 km entre Grajaú e Varginha, a projeção da CPTM é de que sejam acrescentados à linha 110 mil usuários atendidos pelo futuro trecho.

A Linha 9-Esmeralda tem conexão com o Metrô nas estações Santo Amaro (Linha 5-Lilás) e Pinheiros (Linha 4-Amarela) e com a Linha 8-Diamante da própria CPTM, nas estações Osasco e Presidente Altino. Também há integração com ônibus nas estações Grajaú, Jurubatuba, Santo Amaro, Morumbi, Berrini, Pinheiros e Osasco.

Fonte: https://revistaferroviaria.com.br/2021/04/cptm-assina-contrato-de-r-26-milhoes-para-obras-de-implantacao-de-viadutos-rodoviarios-de-transposicao-da-linha-9-esmeralda/

Dia Nacional do Ferroviário.

Prezado(a) Associado(a).

30 de Abril – Dia do Ferroviário.

A ASSEF PARABENIZA A TODOS OS FERROVIÁRIOS PELO SEU DIA.

INSS divulga calendário de prova de vida para aposentados.

Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) divulgou, nesta sexta-feira (26), o calendário de retomada da prova de vida de aposentados e pensionistas, a partir de maio , quando o recadastramento dos beneficiários voltará a ser obrigatório nas agências bancárias. O comparecimento aos bancos, no entanto, deverá ser feito de forma escalonada, para evitar aglomerações.

Segundo o INSS, a ida dos segurados aos bancos deverá considerar o mês em que a última atualização cadastral foi feita. A prova de vida deverá ser realizada de maio a novembro deste ano, de acordo com cada grupo.

O cronograma foi publicado no Diário Oficial da União, por meio da Portaria 1.278.

CONFIRA O CALENDÁRIO

Vencimento da prova de vida:               Retomada da rotina:  
mar e abr/2020                                      maio/2021
mai e jun/2020                                      junho/2021
jul e ago/2020                                       julho/2021
set e out/2020                                        agosto/2021
nov e dez/2020                                    setembro/2021
jan e fev/2021                                      outubro/2021
mar e abr/2021                                      novembro/2021

 Para quem mora fora do país

No caso dos segurados que moram fora do Brasil, as comprovações de vida serão realizadas perante as representações diplomáticas ou consulares brasileiras no exterior ou por intermédio do preenchimento do “Formulário Específico de Atestado de Vida para comprovação perante o INSS”, assinado na presença de um notário público local e apostilado pelos órgãos designados em cada país, para aqueles que moram em países signatários da Convenção sobre a Eliminação da Exigência de Legalização de Documentos Públicos Estrangeiros.

Fonte: undefined – iG @ https://economia.ig.com.br/2021-02-26/inss-divulga-calendario-de-prova-de-vida-para-aposentados-confira.html